domingo, 26 de janeiro de 2020

Lorena Calábria Jornalista que escreveu o livro do disco Da lama ao caos Chico Science e Nação Zumbi.na Radio Mixtura

Jaime Diko Lopes entrevista com Lorena Calábria Jornalista que escreveu o livro do disco Da lama ao caos Chico Science e Nação Zumbi.

Sobre a autora
Lorena Calábria é jornalista de cultura, formada em Comunicação Social pela UERJ. Desde 1985, vem atuando em TV, rádio, web e mídia impressa. Trabalhou como repórter na revista Bizz (Editora Abril), TPM (Editora Trip) e Revista da Folha. Escreveu e/ou apresentou diversos programas, como Som Maior (Rede Manchete), Clip Clip (Red Globo), Cine MTV, Metrópolis (TV Cultura), Ensaio Geral (Multishow), Rádio Café (Oi FM), Sonora Live (portal Terra), entre outros. Atualmente, dirige e roteiriza projetos de audiovisual na sua produtora, La Strada.

Sobre a banda
Chico Science & Nação Zumbi foi a banda ícone do movimento Manguebeat e se tornou referência para a cena musical no país – desde a década de 1990 até hoje. A formação responsável pelo disco Da lama ao caos era composta por Chico Science (voz), Lúcio Maia (guitarra), Dengue (baixo), Toca Ogan (percussão), Jorge du Peixe, Gilmar Bolla 8 e Gira (alfaias) e Canhoto (caixa). O cantor, compositor e líder da banda Chico Science foi uma espécie de “cientista dos ritmos”. Sua busca pela batida perfeita uniu de maneira extremamente original o regional ao universal, criando uma nova sonoridade para a música brasileira. Chico Science participou dos dois primeiros discos – Da lama ao caos (1994) e Afrociberdelia (1996) – e de duas turnês internacionais com a banda, antes de sofrer um acidente de carro fatal em 1997.

@lorenacalabria @nacaozumbioficial #radiomixtura #dalamaaocaos #naçãozumbi #chicoscience #chicoscienceenaçãozumbi

Leandro Kintê na Radio Mixtura

Jaime Diko Lopes entrevista o produtor musical Leandro Kintê
Segunda 27 de Janeiro 2020 das 14h as 16h

Leandro dos Santos Souza (Leandro Kintê) natural de Santo André -SP
Começou sua carreira musical com o Reggae Music com a Banda Filhos da Terra
como Guitarrista e Hoje como vocalista da mesma.
Dentre estas transições com bandas locais ,ingressou na banda Varal Roots (hoje Veja Luz)
 Banda Leões de Israel(cujo o nome "Kintê "veio por ventura da mesma em 2008)
Filosofia Reggae, Z’áfrica Brasil e Família Imperial!

Já com alguns trabalhos na rua , como a Musica "Jazz e Vinho ", "Desejos" , “Desabafo”, “ O vale (tributo ao cantor Cassiano) , “Espasmo”, “ Cartas na mesa”, “Livro da vida”, “ Toda Honra” e  “ O caminho de Luz”  , já podem ser ouvidas em todas as plataformas digitais.

Em 2019 embarca na carreira de produtor musical , lança o selo “Kintê House Produções”, onde vem lançando e produzindo artistas da comunidade e de grande expressão no mercado musical onde já se encontra o disco “Dance Reggae Music” do cantor FamilyRas, que conta com a participação de Finnu Ras da banda Veja Luz, Funk Buia do grupo Z’áfrica Brasil , entre outros.
Muito em breve estará lançando o álbum intitulado “Kintê canta Tim”, tratando-se de um tributo ao Mestre do Soul Brasileiro Tim Maia em um formato totalmente Reggae/Dub. Aguardem novidades.

Pitoniza na Radio Mixtura

Jaime Diko Lopes entrevista A MC Pitoniza
Segunda 3 de Fevereiro 2020 das 16h as 18h

SOBRE Pitoniza, mulher precoce, poeta MC, passou pelas ruas e as drogas das “calles” argentinas. Aos 16 anos, foi na escrita e no Rap music que encontrou novos caminhos que expandiram para os outros elementos do movimento, até que compreendesse a força
unida da rima, da batida, do movimento corpo-chão e da ocupação dos muros da cidade; o HIP-HOP.

Aos 18, fez as primeiras rimas nas praças de Guernica, seu bairro, localizado no extremo sul de Buenos Aires. Foi lá também na união Macumbeiros Crew, compostas por produtores e MCs que além da arte levam consigo a espiritualidade do candomblé.

Em 2016, chega ao Rio de Janeiro determinada a fazer da música sua premissa e a trocar vivências com o Hip-Hop do Brasil.

Descobriu assim, novas conexões com as raízes latinas e africanas. Neste processo lançou seus dois primeiros sons, “Mi Jurisdicción” e
“Hope Go Run” e canta na Fundição Progresso. Muda-se para São Paulo em 2018 e encontra no Grajaú um lugar de pouso como na sua "quebrada" de raiz. Iniciou nessa época o Projeto: Do Graja Pro Mundo, com foco no re-fortalecimento e disseminação do Hip Hop.
Apresentou-se em unidades diferentes do SESC, Casas de Cultura, Centros

Culturais espalhados pelo estado e em uma apresentação especial, na "Soy Latino" evento realizado no Memorial da América Latina. Deu entrevistas nas rádios FAAP e USP (2019).

Protagonizou o documentário “Cantos de Origen” dirigido pela AIC em 2019 e se apresentou na Expo Music São Paulo 2019.

Atualmente, integra a banda Resistência Pugnaz (RAP) com artistas residentes do Grajaú. Em dezembro (2019) lançou seu primeiro álbum Valores de forma totalmente independente. Pitoniza trás suas histórias, sua religião, seus valores, a rua, o rap, e o hip hop por inteiro. Seus passos levam aos palcos sua produção de “Hip Hop Afrolatino”

eternizando a memória de todos os elementos vivos e juntos.

ASÈ

domingo, 5 de janeiro de 2020

Da Caixa Pra Fora com Eduardo Brechó na Radio Mixtura

Todas as Terça feira 2020
Ao vivo! Das 19h até as 20h
Podcast Da Caixa Pra Fora com Eduardo Brechó na Radio Mixtura
ESCUTA AI

sexta-feira, 3 de janeiro de 2020

Roberta Oliveira & O Bando de Lá lançam vídeo clipe com a musica Oya oya de Chico Saraiva e Delcio de Carvalho

O video clip esta lindo veja com seus próprios olhos



FICHA TÉCNICA

Congas, Atabaque e Efeitos: Binho Geronimo
Xequerê: Monalisa Madalena
Agogo e Surdo: Monica Silva
Caxixi e Ganzá: Charles Quitute
Violão 6 aço e nylon: Matheus Nascimento
Cavaco: Parcio Anselmo
Violão 7: Luiz Ribeiro
Trombone e Bombardino: Allan Abbadia
Flauta e Sax Alto: Walter Pinheiro
Flughel: Marco Stoppa
Baixo: Alex Barbosa
Chimbal: Gabriel Spazziani
Palmas: Roberta Oliveira, Monica Silva, Luiz Ribeiro, Binho Geronimo,Monalisa Madalena e Matheus Nascimento
Coro: Laura Guellere, Ligia Fernandes, Monica Silva, Luiz Ribeiro, Matheus Nascimento e Gabriel Spazziani
Arranjo Base: Matheus Nascimento
Arranjo Sopros: Allan Abbadia
Produzido na Casa da Lua Áudio

Equipe Técnica
Coleta Filmes: Allan Lima, Bruno Ramos, Lazaro Eduardo
(Direção de Fotografia/Montagem)
Assistente de Câmera: Daniela de Oliveira
Direção de Arte: Simone Batata
Figurino: Danielle Tereza Arruda
Produção Geral: Matheus Nascimento
Apoio: Camisaria Tereza
Studio InBlue  Brazil
Casa Barbosa

quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

Roberta Oliveira & O Bando de Lá

Roberta Oliveira & O Bando de Lá revelam através desse show o mais tradicional cenário paulista do Samba no Carnaval. Sambas de quadras, sambas de rodas e grandes compositores convidam você a cair.na folia com a voz marcante de Roberta e a cadência da batucada Mavambo formada por Mônica Silva, surdo; Binho Gerônimo, congas e tantan e Monalisa Madalena, pandeiro. Além da percussão a harmonia emocionante fica a cargo de.Luiz Ribeiro, violão de 7 cordas, Parcio Anselmo, cavaco e Matheus Nascimento no violão de 6 cordas e.na direção musical.

Baile da Saudade

1.Sábado não dá,  Jorge Costa

2. Saudosa Maloca,  Adoniran Barbosa

3. Tristeza do Sambista, Adoniran Barbosa 

4. Volta por cima, Paulo Vanzolini

5. Triste Madrugada, Jorge Costa 

6. Lábios de Mel, Zelão

7. Trem das Onze, Adoniran Barbosa

8. Ora Bravo, Henricão 

9. Marambaia,  Henricão 

10. O sol nascerá, Cartola 

11. Chega de Saudade, Vinicius de Moraes 

12. Desde que o samba é  samba, Caetano Veloso

13. Velho Ateu, Eduardo Gudin e Roberto Roberto

14. Praça 14 Bis, Eduardo Gudin 

15. Finado José, Paulo Vanzolini

16. Outro Amor, Waldir da Fonseca

17. Gostoso Veneno, Nei Lopes 

18. Cadência do Samba

19. Não deixe o samba Morrer

20. Tendência,  Ivone Lara

Cocomelo Coletivo

Cocomelo Coletivo é um grupo formado por mulheres e amigas, que se reuniram no propósito de fazer uma única apresentação no aniversário de uma amiga em junho de 2015 na cidade de Paranapiacaba. Mas no primeiro ensaio viu-se que foi impossível se fazer uma única apresentação. Daí nasceu o Cocomelo.  Grupo  de Coco,  manifestação popular que veio do nordeste do pais. O estado do Brasil de referência para os estudos do grupo é Pernambuco.

Todas a integrante tem um apreço especial pela manifestação. O grupo realiza seus estudos de forma independente. Possui repertório próprio, mas não deixa de fazer cocos tradicionais, pois são a inspiração do grupo.
O Cocomelo Coletivo tem como missão a proliferação do Coco pelas periferias da Capital Paulistana e cidades do interior do Estado de São Paulo.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

Festival Percurso 2019

É um grande orgulho de fazer parte desta historia Festival Percurso 2019 Ano 6
15 Dezembro Praça do Campo Limpo SPeriferia_Brasil
O convite que o Festival Percurso 2019 faz para todes é olhar para as nossas Raízes.
A nossa História!
Antes que querer saber onde vamos chegar precisamos saber da onde nós onde a gente veio.
Tenha orgulho da sua Quebrada,
do seu terreiro, da sua casa! Da sua Família!
A programação está incrível!
Aproveitemos para agradecer todos os apoiadores e patrocinadores que tornaram esse sonho em realidade, agradecemos também tod@s @s trabalhadorxs e empreendedorxs do Festival Percurso.
Periferia Quer Paz Lazer E Cultura!
Teremos na nossa grade de programação
Rael, Sarau do Binho, DJ Vivian Marques, Z'África Brasil - Convida Thiade, Kelly Neriah e Cúpula Negredo, Maracatu Baque Mulher/SP part. Cris SNJ, Ó do Forró, Tia Nice, Aderbal Ashogun, Mestre TC Casa Tainã, TSP A Batalha e Projeto +Rap, Velha guarda do Bloco Beco
Ajayô Samba do Monte convida Raquel Thobias part Silvio Modesto, Pataxó Hã hã Hãe, Aldeia Tenondé Porã, Casa de Cultura Fazenda da Roseira, ATS Kung Fu Garra de Águia Lily LauBel Coelho, Zinho Trindade

LINK DO EVENTO


terça-feira, 19 de novembro de 2019

Aláfia lança seu quarto disco, “Liturgia Sambasoul”

Material para Download 
Aláfia lança seu quarto disco, “Liturgia Sambasoul”

Com sonoridade inspirada no sambasoul dos anos 70 somado à espiritualidade afro-brasileira e a música urbana, Aláfia lança seu quarto registro de estúdio: “Liturgia Sambasoul”.

Integrando 13 faixas que cantam com leveza sobre esperança e união, o disco tem roupagem contemporânea e exclusiva.

Entre as participações especiais, Carlos Dafé e Sueide Kintê. Figurando as principais influências e inspirações do projeto, potências como Tim Maia, Luiz Melodia, Luis Vagner, Tânia Maria, Tássia Reis, Leci Brandão, Les Etoiles, Dom Salvador, Racionais, Moacir Santos, Miles Davis e Milton Nascimento.

Cada vez mais afirmativos de si, o grupo não só agrega como, também, propõe uma dimensão mais afetuosa de sua luta em “Liturgia Sambasoul”.

“O afeto é, mesmo, o nosso feitiço. E esse é o nosso som. A mensagem é muito mais sobre agregar do que dividir. Sempre somos guiados pelo passado e reinterpretamos o nosso presente. Aprendemos muito com os que vieram antes.
Aláfia, hoje, é um estilo de vida. Como foi Sun Ra e sua Orquestra, o Parliament-Funkadelic, os Novos Baianos ou a Banda Black Rio”, ressaltam.

Deste modo, o ofício musical e suas questões também são temas pertinentes ao estilo de vida do coletivo que resiste como uma banda grande num tempo em que o culto ao indivíduo é cada vez mais latente.

Aláfia é terreiro e salão e Liturgia Sambasoul nasce da fluidez desse caminho.

quinta-feira, 3 de outubro de 2019

Bia Doxum




Material para Download 


MÚSICA




VÍDEO

Janine Mathias

Release

Como nasce a musica de Janine Mathias

Janine Mathias, brasilense radicada, desde 2009, em Curitiba, desenha, em "Dendê" o retrato da música popular brasileira contemporânea.

Janine Mathias, nascida na periferia do Distrito Federal, tem em seu histórico o Rap como lugar de fala e expressão de seu caminhar. Dendê é o resultado dessa vivencia intensa com a ancestralidade e os ritmos advindos do samba, hip hop e da musica negra em geral. Em suas parcerias Janine Mathias se encontra com Tássia Reis, Rincon Sapiência e tantos outros mestres que guiaram sua musica.

Celebrando a Ancestralidade

Composto por 10  faixas, primeiro álbum solo da cantora tem participação de Rincon Sapiência e integra canções de Leandro Lehart, Martinho da Vila, Tássia Reis e Val Andrade, além de composições próprias.

Janine Mathias acaba de lançar seu primeiro disco solo, “Dendê”. “Esse trabalho é fruto da minha trajetória. Musicalmente é o que em mim tudo tempera. É o óleo que azeita, fortifica, unta, apazigua e ganha outras formas, usos e significados”, ressalta a cantora. Produzido por Eduardo Brechó, do Aláfia, em parceria com Renato Parmi, álbum tem o peso do rap e a leveza melódica do samba, incorporando, entre a roupagem clássica dos arranjos, elementos eletrônicos.

Dendê o Disco

Já na abertura, “Pérola Negra", de Val Andrade, canta a autoestima da mulher negra e representa a questão mais poderosa da ancestralidade. “O objetivo é transformar, para melhor, a vida de quem ouve, nós mulheres negras aprendemos muito depois o valor de nossa existência”.

Em seguida, a faixa-título, “Dendê”, tem participação de Rincon Sapiência, que também assina a letra em parceria com Eduardo Brechó e a própria artista. “Essa coisa de colocar a música em um pedestal, onde o que é popular não entra, sempre me incomodou.  Eu sou uma mulher negra, minha música pulsa o "pancadão" e me importo com o que nasce nas raízes da favela. Pensando em tudo isso, esse single surgiu no estúdio, já no último dia de gravação. Eu estava brincando que, quando tivesse 50 anos, faria um funk. E não é que fiz bem antes disso?", brinca.

Nos quase quatro minutos de "Tanto Faz", Janine aquece o coração e comemora a alegria de ser a primeira a gravar uma música composta por Tássia Reis.

"Na Consolação", feita em parceria com Lucas Trigueiro, surgiu há cinco anos. "Desejei muitas coisas para essa track que tem rap e samba na veia. O final "sambei na avenida / cantei toda essa trilha / na consolação vivo e não sofro" cômpus para Elza Soares", comenta.

Em “Já foi”, a artista presta um tributo ao Tempo, o grande senhor e rei.

Para acordar o mundo lá fora, “Bom Dia” avisa que "cultivar o amor, aliviar a dor / a incerteza não cabe". Ela é uma das produções que fui surpreendida pelo Eduardo e o Parmi.

O samba romântico "Rumores", de autoria da cantora e Eduardo Brechó, fala sobre desilusões e todas as coisas que somente a paixão pode fazer. "Sem avisar, nos sacode, nos faz viajar e enfrentar limites. Acho que amar é viver desejando o melhor sabor de um encontro".

Para mexer com o corpo e a alma, “Semba dos Ancestrais” é uma regravação de Martinho da Vila.

Logo após, “Maracatu do Meu Avô", de Ney Lopes e Leonardo Bruno, é uma homenagem que envolve muita conexão é para a intérprete uma imensidão de bons sentimentos em homenagem ao seu avô.

Com os versos que não pedem licença para continuar, a ousada "Deixa Eu Ir á Luta", do Leandro Lehart, encerra o disco. "Sambamos muito. Agora, vamos bater cabelo na boate com essa Art Popular. Quem é da minha idade sabe, exatamente, o que essa música representa. Eu dedico para minha tia Jô", finaliza.

VIDEOS

sábado, 28 de setembro de 2019

Rádio Mixtura no programa É de Casa do O Zeca Camargo da rede Globo.

Hoje a Rádio Mixtura apareceu no programa É de Casa do O Zeca Camargo da rede Globo.
A matéria foi para apresentar em rede nacional o coworking da Agência Solano Trindade.
A tecnologia do nosso espaço é compartilhado onde temos a cozinha da tia Nice que é servido a alimentação no quintal que tem a estrutura de bambu e teto de caixa de leite e tubo de pasta de dente feito pela Oficina de Bambu e tem essa é outras soluções de obras sustentáveis , sem contar o cenário de grafite que tem pela casa, Onde tem um acervo de obras de artes de artistas da quebrada, Onde tem marcas de roupas e acessórios com as tendências afros,indgenas,nordestinas, urbanas e periféricas, Onde temos um armazém de orgânicos e cerveja Artesanal
Rsrsrsrs muita coisa! né?
Chega mais venha conhecer.
Gratidão ao repórter Manoel Soares a produtora Leticia
CLIQUE AQUI PARA VER MATERIA
https://globoplay.globo.com/v/7958540/programa/

terça-feira, 3 de setembro de 2019

Brasa Bass Sounds​ coletivo feminino de sistema de som na Rádio Mixtura​

Quarta, 4 de SETEMBRO as 20h:30m
🔊Brasa Bass Sounds​ coletivo feminino de sistema de som na Rádio Mixtura​ - Só com vinil​
🎶Seletoras: Evellyn e Walds
vai mandar só as pedradas.toda primeiras quartas do mês
LINK DO EVENTO https://www.facebook.com/events/422282751692084/
📻LINK DA RÁDIO https://www.radiomixtura.com.br
BIG UP!

REALIZAÇÃO
@radiomixtura
APOIO
@elchoqproducoes
@agsolanotrindade
@bocadafortebf
BIG UP!
#brasabasssounds #radiomixtura
#elchoqproducoes
#agsolanotrindade